top of page

Viagem a Mendoza - Chandon, Terrazas de Los Andes e Luigi Bosca

Ultimo dia de visita às vinícolas, hoje com Chandon, Terrazas de Los Andes e Luigi Bosca. No final dos anos 50, a casa Moët & Chandon, de Epernay, a cidade mais importante na área de champanhe França, planejou instalar, pela primeira vez em vários séculos de existência, adegas e vinhedos fora da França. O lugar escolhido foi a Argentina. Renaud Poirier, o enólogo da empresa, percorreu diferentes partes do país, e determinou que o local mais adequado para o projeto era a província de Mendoza, na cidade de Agrelo, um membro do departamento de Luján de Cuyo. Uma das razões para a escolha foi o clima seco e ensolarado, ideal para essa cultura. Era o ano de 1959, quando o projeto de instalação da vinícola foi concretizado. A empresa desde o início foi aconselhada pelos técnicos da Moët & Chandon da França. Ela começou suas atividades diante do interesse de toda a indústria e dos bons bebedores de champanhe e vinhos. Motivos para essas expectativas não faltaram: a Moët & Chandon foi fundada em 1743 e seus produtos, incluindo o lendário Don Perignon, já eram famosos em todo o mundo. Com mais de 500 hectares de espumantes e outro de fornecedores tradicionais localizados nos melhores terroirs da área superior de Mendoza, a Chandon é hoje a principal produtora de bolhas na Argentina. Em 1959, ela começou a desenvolver vinhedos de Chardonnay e Pinot Noir de alta qualidade. Na verdade, foi Chandon quem trouxe o Pinot Noir para a Argentina. Hoje, 1 em 2 kg de Pinot Noir e 1 em 3 kg de Chardonnay que são cultivadas em Mendoza, são exclusivas de Chandon e seu destino é a elaboração de suas bolhas reconhecidas. Com 5 espumantes a Chandon cobre todas exigências dos apreciadores de espumantes e champagnes: Extra Brut, Aperitif, Délice, Rosé e Brut Nature, os quais degustamos ao ar livre nos gramados na bodega. Aqui vale a pena a visita. Almoçamos na Terrazas de los Andes que foi inaugurada em 1999 pela Moët & Chandon e sua subsidiária Bodegas Chandon, sendo uma vinícola na produção de vinhos altos. A Terrazas foi fundada no coração de Mendoza, em uma antiga adega de estilo espanhol que pertenceu de 1898, a Sotero Arizu, um dos pioneiros da vinificação na Argentina, de frente para o majestoso Cordon del Plata. Com esta vasta experiência, Terrazas de los Andes, considerado um dos principais produtores argentinos, foi escolhido por Cheval Blanc (Saint-Emilion Premier Grand Cru Classé A) para finalizar seu primeiro projeto conjunto para desenvolver um vinho exclusivo, ícone argentino: Cheval des Andes. Combinado com terroir argentino excepcional, tradição e experiência francesa permitir que a equipe Terrazas extrair a intensidade e características de cada variedade de uva genuína: Malbec, Cabernet Sauvignon, Torrontés e Chardonnay. O almoço foi em um ambiente prive onde todos os sentidos se aguçam com música boa e ambiente especial. Terminamos nossa incursão pelas vinícolas na Bodega Luigi Bosca, fundada em 1901 por Don Leoncio Arizu. Atualmente gerida pela terceira e quarta geração, é uma das poucas vinícolas que, ao longo das décadas, permanece nas mãos da família fundadora e, devido ao seu prestígio, tornou-se um paradigma do vinho argentino. Os Arizu sempre trabalharam na busca pela máxima expressão do vinho argentino e foram protagonistas das grandes mudanças na indústria vinícola nacional. Como tributo a essa terra e ao povo, eles se dedicaram, por 110 anos, a interpretar a intenção da videira. A paixão de quatro gerações de uma mesma família, expressas na coleção da Bodega Luigi Bosca, mostra o resultado de um esforço ambicioso levantado há vários anos: o desejo de expressar o mais completo da própria essência da versão vinho argentino. Luigi Bosca colaborou ativamente na fundação do primeiro DOC em nosso país em 1989, a Denominação de Origem de Luján de Cuyo, orgulhosamente igual a outros DOCs no mundo. Luigi Bosca tem 7 fazendas na província de Mendoza: Los Nobres, La Linda, La España, Dom Leoncio, El Paraíso, La Puntilla e Los Miradores. No total, são mais de 700 hectares dedicados ao cultivo, estudo e entendimento da videira. As diferentes variedades que são colhidas nessas fazendas foram trazidas da Europa na última década do século XIX. Portanto, as vinhas de hoje são o resultado da seleção das melhores vinhas da família antiga, que passaram por um processo muito lento de aclimatação às duras exigências do meio ambiente. Atualmente, sua coleção é composta por duas linhas de produtos: Finca La Linda e Luigi Bosca, os quais degustamos na bodega em um ambiente clássico. Boas Taças!




33 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page